Vantagens e Desvantagens da utilização do Mood Board?

As vantagens que pude identificar a partir da utilização do Mood Board são de tal forma discrepantes quando comparadas com as suas desvantagens, que poderá estabelecer-se uma comparação com o actual e recorrente momento do nosso país, em que o deficit ultrapassa em larga escala o superávit, mas no caso do Mood Board muda completamente, porque a balança comercial é completamente positiva. Pode dizer-se que o “governo” que criou esta ferramenta ganhou as eleições merecidamente e aplicou uma boa política de gestão. Têm o meu voto!

Vantagens da utilização do Mood Board:

  • Incentiva o processo criativo através da estimulação da criação de conceitos que prezam por comunicar a intenção do seu criador através de aspectos de ordem emocional e contextual relacionada com o pedido do cliente. Logo, é uma importante ferramenta para ajudar a expressar opiniões, emoções e sentimentos;
  • Estimula o “desenvolvimento” do lado direito do cérebro (“criança livre” / “pequeno professor”), o pensamento lateral, ausente de bloqueios, o pensamento disruptivo, “out of the box” fora dos estereótipos e preconceitos;
  • Permite a obtenção de uma ideia mais fácil e rapidamente de acordo com o pedido do cliente, reduzindo por conseguinte os recursos de tempo e os desvios do objectivo final pedido. Pode dizer-se que é uma importante ferramenta para a obtenção e tomada de decisões;
  • Devido à procura necessária para a sua elaboração, permite a obtenção de várias perspectivas de solução, várias abordagens para o mesmo pedido, logo é uma excelente ferramenta para a criatividade e nomeadamente para as agências de publicidade, pois conseguem-se apresentar ao cliente diferentes abordagens/soluções para o mesmo problema/pedido solicitado;
  • Por vezes pode funcionar como uma importante fonte de criatividade e inspiração para projectos posteriores;
  • Facilita a “visualização” de um estilo de comunicação, de uma orientação, de um conceito, de uma ideia, de um grafismo que é materializado, facilmente comunicado e explicado ao cliente (permite passar de um conceito abstracto para algo de mais concreto);
  • Tem uma grande versatilidade, pois pode ser aplicado a um diverso e vasto leque de áreas.

Desvantagens da Utilização do Mood Board:

  • A sua criação e processo acarreta muita pesquisa e ponderação, logo o seu desenvolvimento pode ser considerado algo moroso para os deadlines “para ontem” que os clientes exigem;
  • Esta ferramenta poderá ser a discórdia entre o criador e cliente, pois é uma visão do criador do pedido do cliente;
  • As imagens/fotografias usadas poderão não conseguir transmitir a mensagem pretendida, isto é, o cliente poderá assimilar uma outra mensagem que não é a que o criador tinha em mente;
  • A sua qualidade, preponderância e causalidade/propósito para com o problema comunicado proveniente do briefing do cliente, é completamente dependente da experiência e características pessoais do seu criador, isto é, a sua personalidade, valores, vivências, educação, experiências de vida e percurso profissional, irão influenciar as suas decisões aquando da criação do Mood Board.

Mas esta condição é sempre verificável na criatividade, assim quanto mais informado e curioso for o criativo, mais ideias terá e mais abrangentes e diversificadas serão. O seu “armazém” de informação tem  importância vital. Um criativo que necessite apenas de uma cabana para guardar todo o seu know-how não terá a mesma qualidade de um criativo que precise de uma povoação inteira para armazenar todo o seu conhecimento, informação e vivência proveniente do seu percurso de vida.

Referências bibliográficas:

www.crearmundos.net/primeros/artigo%20katja%20o_pensamento_criativo_em_design.htm (consultado em 11.03.2010)

http://www.wisegeek.com/what-is-a-mood-board.htm (consultado em 11.03.2011)

http://www.pixelmedia.com/blog/get-in-the-mood-the-benefits-of-mood-boards-in-the-design-process/ (consultado em 13.03.2011)

http://jonathadapper.wordpress.com/2010/01/13/mood-board-a-orientacao-do-processo-criativo/ (consultado em 07.03.2010)

Sanders, E. [2006] Scaffolds for Building Everyday Creativity. Design for Effective Communications: Creating Contexts for Clarity and Meaning, Allworth Press.

DORST, K. [2008] Viewpoint design research: a revolution-waiting-to-happen. Design Studies Vol. 29 Nº 1, Butterworth-Heinemann, p. 5-11, 2008.

COOPER, R.; PRESS, M. [1995] The Design Experience: The role of design and designers in the twenty-first century. The Design Agenda. John Wiley & Sons,Ltd. Chichester (UK), pp. 141.

GARNER, S.; MCDONAGH-PHILP, D. [2001] Problem Interpretation and Resolution via Visual Stimuli: The Use of ‘Mood Boards’. Design Education. The Journal of Art and Design Education, 20 [1], pp. 57-64.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: